Costa admite segunda onda de covid-19. E dá 4 de maio como limite para normalizar ensino.

Costa admite segunda onda de covid-19. E dá 4 de maio como limite para normalizar ensino.

António Costa deixou claro que toda a situação é complicada, mas sublinhou que a decisão que cria “maior ansiedade” é a de saber se há condições reabrir as escolas, uma decisão que só será tomada depois do dia 7 de abril, altura em que o Governo voltará a ouvir a opinião dos especialistas em saúde pública.

Ainda assim, o governante apontou o dia 4 de maio como a data limite para que as escolas voltem à sua atividade normal e para que haja uma época de exames até final de julho.

“A data limite para que o calendário escolar possa ser cumprido, com ensino presencial, designadamente no secundário, é 4 de maio”, revela o primeiro-ministro à Renascença. “Podemos ter época de exames no final de julho e um ciclo de pausa em agosto, com segunda fase em setembro.

O primeiro-ministro reforça que a decisão só será anunciada a 9 de abril e recorda que será baseada na auscultação dos e epidemiologistas, que acontece na terça-feira.

“A data limite para que o calendário escolar possa ser cumprido, com ensino presencial, designadamente no secundário, é 4 de maio. Podemos ter época de exames no final de julho e um ciclo de pausa em agosto, com segunda fase em setembro”, disse António Costa, reforçando, contudo, que a decisão só será anunciada no dia 9 de abril.

Fonte: ZAP

Costa admite segunda onda de covid-19. E dá 4 de maio como limite para normalizar ensino.
Watch the video

Costa admite segunda onda de covid-19. E dá 4 de maio como limite para normalizar ensino.

António Costa deixou claro que toda a situação é complicada, mas sublinhou que a decisão que cria “maior ansiedade” é a de saber se há condições reabrir as escolas, uma decisão que só será tomada depois do dia 7 de abril, altura em que o Governo voltará a ouvir a opinião dos especialistas em saúde pública.

Ainda assim, o governante apontou o dia 4 de maio como a data limite para que as escolas voltem à sua atividade normal e para que haja uma época de exames até final de julho.

“A data limite para que o calendário escolar possa ser cumprido, com ensino presencial, designadamente no secundário, é 4 de maio”, revela o primeiro-ministro à Renascença. “Podemos ter época de exames no final de julho e um ciclo de pausa em agosto, com segunda fase em setembro.

O primeiro-ministro reforça que a decisão só será anunciada a 9 de abril e recorda que será baseada na auscultação dos e epidemiologistas, que acontece na terça-feira.

“A data limite para que o calendário escolar possa ser cumprido, com ensino presencial, designadamente no secundário, é 4 de maio. Podemos ter época de exames no final de julho e um ciclo de pausa em agosto, com segunda fase em setembro”, disse António Costa, reforçando, contudo, que a decisão só será anunciada no dia 9 de abril.

Fonte: ZAP