Tiago Rodrigues deseja que a Virtual Educa em 2021 seja “o mais presencial possível” em Lisboa

A conferência mundial Virtual Educa do próximo ano irá decorrer de 3 a 5 de março. O ministro da Educação português espera que a iniciativa, marcada para Lisboa, seja tão presencial quanto possível e que “eleve” Lisboa “a capital física do mundo virtual da educação”. As declarações foram feitas no encerramento do Fórum Global, que decorreu em formato digital.

O desejo do ministro da Educação foi expresso na sessão de encerramento do “Fórum Global - Educação Conectada”, que decorreu a 23 e 24 de novembro num modelo totalmente online, substituindo o “Congresso Global Virtual Educa 2020”, que estava previsto acontecer em Lisboa, por estes dias, na Fundação Calouste Gulbenkian.“Espero que este encontro continue muito em breve, ampliado e aprofundado no Congresso Global Virtual Educa que irá acontecer de 3 a 5 de março do próximo ano e que vai ser dedicado a um tema importante: os ecossistemas educativos para a área digital”, afirmou Tiago Brandão Rodrigues.

Esse congresso irá acontecer a partir de Lisboa – e queremos que seja o mais presencial possível.

O ministro português sublinhou o quanto lhe agradará ver “a cidade de Lisboa elevada a capital física do mundo virtual da educação”. Antes desta declaração, Tiago Brandão Rodrigues tinha elogiado a forma como decorreu o Fórum Global, tendo saudado “o envolvimento de milhares de professores portugueses” nos seus trabalhos. Segundo o ministro, “a Covid-19 não contaminou a nossa vontade de aprendizagem, de descobrir, de inovar, de ir mais longe”. E garantiu que “os professores portugueses estão naturalmente abertos para criar redes de contacto, para criar pontes com escolas de outros países da Europa, com países africanos, compaíses de língua castelhana ou de língua inglesa, com países da América do Sul”.

O Fórum Global juntou governantes europeus e latino-americanos com a Comissão Europeia para discutirem as políticas educativas, tendo contado com 45.357 espetadores no Youtube e 60.989 no Facebook.“Nestes dois dias de debate intenso conseguimos mostrar aos governos com que colaboramos qual é o caminho que vale a pena seguir: o da inovação dos modelos educativos, da modernização do processo escolar e da comunicação dentro e fora das escolas”, afirmou na sessão de encerramento Adelino Sousa, o português que é diretor executivo da Virtual Educa. “É assim que seremos capazes de superar os obstáculos comque nos confrontamos diariamente para criar sistemas de ensino que melhorem e corrijam a educação que está a ser dada nas escolas e universidades”.

Adelino Sousa foi esta semana nomeado para o Conselho Diretivo da ATEI, a Associação de Televisoras Educativas e Culturais Ibero-americanas, as quais reúnemmais de 90 emissoras públicas e privadas de televisão, ministérios e organismos culturais dos países-membros. “É um prazer fazer parte da equipa de gestão e coordenação da mais importante rede de televisão educativa do planeta”, afirma Adelino Sousa. “Planeio contribuir com soluções inovadoras que tornem a educação mundial mais equitativa e mais acessível para todos”.

A Virtual Educa foi estabelecida em 2011 pela Organização dos Estados Americanos– OEA como uma iniciativa de cooperação multilateral no âmbito da educação, inovação, competitividade e desenvolvimento. Tem sido responsável pelos maiores eventos de educação da América Latina, sendo dirigida aos profissionais de educação e das tecnologias de informação e comunicação (TIC), empresários e decisores políticos. As suas sedes são em Washington, nos Estados Unidos (onde tem uma fundação), e em Madrid, Espanha.

ANEXO: Intervenção de Tiago Brandão Rodrigues (a partir das 6h27m):https://virtualeduca.org/foroglobal/live