Imprimir

Lendas e Contos

Escrito por David Azevedo ligado . Publicado em Populares

A LENDA DA SERRA DA ESTRELA

 

 

Chegara aos ouvidos do rei, que todas as noites, um pastor do alto da serra, conversava com uma estrela, a mais bela de todas. O rei mandou chamar o pastor e ordenou-lhe que lhe desse a estrela, prometendo em troca dar-lhe muitas riquezas.

O pastor respondeu que preferia continuar a ser pobre e não perder a sua amiga estrela, sem a qual não podia viver.

Ao voltar à sua cabana, no alto da serra, o pastor ouviu a sua estrela contar-lhe o receio que tivera de ele se deixar levar pela ambição da riqueza. O pastor afirmou-lhe a sua grande dedicação. E a Estrela, contente, prometeu-lhe que nunca deixaria de ser sua amiga.

Então, o velho pastor, em voz de profeta exclamou:

- De hoje em diante, esta serra há-de chamar-se Serra da Estrela.

E conta a lenda, que no alto da serra se vê uma Estrela, que brilha de maneira estranha e diferente, como quem ainda procura o bom pastor.

Primavera – O casamento das flores


Na Primavera , ouvem-se cantar os passarinhos em todo o lado.
Pássaros – Piu, piu, piu: casemos e teremos lindos filhinhos.
Nos, não ouvimos as flores, certamente porque não temos o ouvido bastante apurado.
Mas, elas querem casar para ter, não ovos como as aves, mas sementes de onde sairão as novas plantas.
Lúcia – Um casamento de flores deve ser bem bonito!
Sonha Lúcia, que já vê uma centáurea azul desposando uma rosa e todo o cortejo dos amigos ricamente vestidos.
Ela vê o cravo com a papoila, a campainha com a margarida, o miosótis com o malmequer, o lilás com a tulipa.
No entanto, as coisas não se passam bem assim; os noivados das flores são muito secretos. É no interior da flor que eles se preparam e se realizam.
Somente as abelhas, as vespas e as moscas sabem do segredo. E as borboletas também!
Lúcia – Vamos lá, peludo jovem zangão, tu sabes como se casam as flores?
Zangão – Sim e sinto-me ainda surpreendido: esta manhã, vinha eu valsando por cima do grande lírio que se ergue perto das roseiras encarnadas e ouço vozes que saem do meio das pétalas.
Flores – Sim, sim, casemo-nos!
Dizem os estames e os pistilos.
O pistilo é aquela espécie de garrafa bojuda que parece ter um longo gargalo e uma pequena rolha verde.
Os estames estão em volta do pistilo, debruçados do alto do longo pecíolo, olhando para ele.
Pistilo – Tenho dentro do meu ventre pequenas bolinhas verde pálido, semelhantes a pequenos ovos, que virão a ser sementes.
Estames – Nós temos nos nossos pequenos sacos um pó dourado, o pólen.
É com o pólen que sujamos o nariz das crianças que vêm cheirar os lírios!
Pistilo – O vosso pólen não serve para nada se vocês o guardarem nos vossos sacos.
Estames – E as vossas pequenas sementes? Julgas tu que elas dão plantas se nós não nos juntarmos?
Pistilo e estames – É preciso casarmo-nos! Mas como fazemos, se nos encontramos presos?
Vento – Eu ajudo-vos.
E põe-se a balançar o grande lírio.
Estames – Obrigado, nós abriremos os nossos pequenos sacos.
O pó dourado, então espalhou-se sobre a boca do pistilo que é pegajosa e o pólen cola-se e introduz-se suavemente pelo gargalo da pequena garrafa.
Cada partícula amarela toca uma semente.
Lúcia – Agora, estas ementes só têm que amadurecer. Elas têm dentro de si o gérmen duma pequena planta.
Mas, diz-me peludo, e quando não há vento?
Zangão – Ah! Olha que ainda não acabei a minha história. Já vais ver: eu parto para outras flores…
Flores – Não há vento! Como vamos fazer para tocar os pistilos?
Moscas, vespas e abelhas – Nós ajudaremos!
Zangão – Juntei-me a eles e cada insecto escolheu uma flor. Penetro dentro de uma campânula azul, esfrego-me contra o pólen e encho com ele a minha ligeira penugem e ao sacudir-me no centro da flor, deposito o pólen sobre o pistilo. Todos os insectos fazem a mesma coisa.
Depois, atordoados, moscas, moscardos e zangãos vão de planta em planta, de jardim em jardim recolher o pólen.
Se bem que são por vezes os estames duma flor longínqua que levam o seu pólen a um pistilo afastado.
Isto faz combinações maravilhosas e pode ser que plantas muito mais belas venham a nascer destes casamentos inesperados.
É meio dia, o sol dilata o coração das rosas, dos lírios e das outras flores, o jardim enche-se de perfumes e de zumbidos.
Ouve, pequena Lúcia, dir-se-ia que são as flores que murmuram e que trauteiam alegremente:
Flores – Sim, casemo-nos!

 

 

Attachments:
FileDescriptionEnviado porFile size
Download this file (adormecida.doc)adormecida.docA Bela Adormecida 48 kB
Download this file (Fábulas.doc)Fábulas.docFábulas e vários contos 51 kB
Download this file (joao.doc)joao.docHistória do João Pateta 29 kB
Download this file (laranjas.doc)laranjas.docAs três Laranjas Mágicas 31 kB
Download this file (neve.doc)neve.docBranca de Neve 44 kB
Download this file (vermelho.doc)vermelho.docCapuchinho Vermelho 30 kB

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Enviar Atividades e Recursos

Olá amigos do ensinobasico.com, para enviar fichas e atividades, ou promover ideias e projetos poderá enviar-me um documento através do UP! ou através do email: [email protected] Aguardo a vossa contribuição! Até mais.

Clique para enviar o documento